Sábado, 9 de Maio de 2009

É assim a música...

Acabo de colocar no meu blog pessoal http://stipe07.blogs.sapo.pt um texto sobre o efeito que a música dos Sigur Rós conseguiu, há poucas horas atrás, ter em mim.

Decido reproduzi-lo aqui, no blog deste projecto, visto poder ajudar todos aqueles que se possam interrogar acerca do porquê de tudo isto, desta viagem, a perceberem melhor as nossas motivações e o nosso sonho...

 

Sentado no meu carro, imóvel, neste início de tarde em que a Primavera promete ficar pela enésima vez, quase que consigo ver os dedos de Georg a tocar nas teclas do piano... O som agudo que elas produzem entranha-se nos meus ouvidos... Suspiro e respiro fundo, abano-me... Olho em redor  e vejo água, muita água, a água que constantemente me chama, feita de mil cores a baloiçar com um barco que há pouco passou. À direita, vejo a mesma ilha de sempre, que teima em não sair dali, pintada de verde e castanho, da cor da água. À esquerda, bem lá ao fundo, na curva do rio, na margem esquerda, a casa nova, o novo rumo do meu olhar quando aqui estou e lá no alto, bem lá no alto, o sol de Maio, poderoso, a trazer luz a este mundo em que tão poucos ainda acreditam e depositam esperança, mas que às vezes consegue ser um local maravilhoso para se viver.

O piano de Georg continua lá e a voz de Jonsí agora também já se ouve, finalmente, a mesma voz de sempre, doce, "falsa", voz de criança que cresceu mas que também ficou algures perdida numa infância construída em sonhos de gelo, crateras de lava e grutas de xisto.

Ouço Mílanó, o grande momento de Takk, o álbum mais luminoso dos Sigur Rós, a obra que inclui Hoppipolla, a música que me fez um dia sonhar alto e não querer partir sem visitar a ilha mais bela que o nosso planeta sustenta... Uma ilha chamada Islândia. Mílanó são dez dos minutos mais belos da história da música; o esplendor total chega perto do 8º minuto quando toda a banda explode em redor de Georg e o piano deste ganha a companhia da guitarra de Jonsí, tocada com um arco de violoncelo, acentuada por um reverb, dando-lhe um efeito flutuante, único e a companhia também da bateria alucinada de Orri. O meu coração sente um aperto, os meus olhos humedecem vertiginosamente e arrepio-me da mesma forma que o faria se neste preciso instante possuisse e amasse o meu Amor como se não houvesse amanhã! Olho de novo para a ilha, para a casa lá ao fundo, na margem esquerda, para a água verde e castanha, para o céu e para dentro de mim e questiono-me... Como é possível o mundo não se comover mais? Como é possível haver quem ainda não tenha ouvido Mílanó? Como é possível haver quem não saiba o que é Ára Bátur? Como é possível a música, seja ela qual for, ainda passar ao lado de tanta gente? Como é possível fazermos tão mal uns aos outros, tantas e tantas vezes, de forma tão irreflectida, todos os dias da nossa vida?

Estes tormentos duram pouco... logo de seguida chega Vid Spilum Endalaust e com ela os 4 minutos mais festivos que conheço da história da música e que tomam conta de mim sem hesitar! Com o piano de Georg de novo a tomar conta de mim, com a bateria de Orri e a voz do Jonsí a não me deixar respirar!

São assim os Sigur Rós...

É assim a música para mim...

Custa-me imenso não dominar melhor o dom da escrita para ser ainda mais concreto nesta descrição que faço, mais apelativo e conciso. Custa-me imenso não conseguir fazer com que mais pessoas me leiam e assim, talvez conseguir que mais ouçam os Sigur Rós, entendam aquilo que sinto e também consigam sentir-se tão felizes como eu quando os ouço.

Um dos meus maiores atributos, dizem, é a generosidade... Se pudesse, dava-me a mim próprio para que o mundo inteiro pudesse partilhar o que sinto quando os ouço aqui, junto a este rio, perto daquela casa à esquerda, bem lá no fundo, na curva do rio, iluminado por este sol, feliz por saber que também sou assim. E também sou feliz por saber que, tal como a voz de Jonsí, também muito daquilo que sou hoje nunca cresceu, está ainda perdido no passado, na ternura da minha infância, no peito de quem de mim sempre cuidou e me ajudou a ser o que sou hoje! E não deixo de sorrir por saber que ao ser assim, por sentir que também consigo parar e ainda ser quando me apetece o miúdo que fui, é que tenho a enorme capacidade de me deixar comover de forma tão intensa e única pelos Sigur Rós e pela sua música.

 

Nos próximos dias ficará decidido o nome do documentário...

A festa takkiceland10, a decorrer no Nordik, está a ser organizada como previsto.

sinto-me:
música: Mílanó
publicado por takkiceland10 às 15:44
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.Passenger List

João Tavares, João Génio, Natália, João Rodrigues, Sandra Guerreiro, Gonçalo Oliveira, Bruno Couto, Virgínia, Marco Gomes, Joana, César, Filipe Vargues, Tiago Garcia, Patricia Correia, José Falcão, Vitor Teixeira, Laurent Oliveira, André Albuquerque, Silvia Oliveira, Isaac Gonzáles, Marta Lopes, Marco Ricardo, Catarina Barroso, Paulo Silva

.Junho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.posts recentes

. Inspired By Iceland

. O fim... ?

. Agaetis Byrjun - 10 anos

. Bear Grylls - Islândia

. Review - Nordik

. Cartaz N@rdik

. Fomos ao Nuno & Nando

. É assim a música...

. Festa takkiceland10 - Nor...

. Nome do Documentário

.arquivos

. Junho 2010

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

.tags

. todas as tags

.links

.pesquisar

 

.arquivos

. Junho 2010

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

blogs SAPO

.subscrever feeds